Burdog – Pacaembu, São Paulo – SP

OFERECIMENTO

Clássico é clássico e o Burdog é uma das mais tradicionais hamburguerias de São Paulo desde 1968 – 50 anos de casa aberta é para poucos. Passou por gerações e preparou muitos hambúrgueres na madrugada.

Fachada - Burdog

Mesmo sabendo que o hambúrguer do Burdog é praticamente o mesmo durante todos estes anos, precisávamos fazer uma avaliação na casa matriz, que fica na Av. Dr. Arnaldo. É uma questão de posicioná-los dentro do cenário do hambúrguer atual, que mudou completamente.

Balcão - Burdog

Imagine que por um grande período as hamburguerias eram muito, muito parecidas. Faziam seus discos de carne fininhos, baixa proporção de gordura. Não é à toa que a maionese foi o grande diferencial as hamburguerias concorrentes. Era muito mais fácil se diferenciar pela maionese do que pela carne, quase sempre o patinho ou coxão mole moídos. E a combinação mais pedida era sempre o cheese salada.

Hoje, o cenário mudou e as hamburguerias como o Burdog continuam de portas abertas. Como eles podem se diferenciar, se o produto que eles oferecem é praticamente o mesmo – e os clientes fieis estão acostumado. Então fomos avaliar, usando os mesmos critérios de qualquer outra hamburgueria para descobrir o que acontece.

Aparecemos por lá por volta de 23h, horário em que poucas hamburguerias estão abertas em São Paulo – por incrível que pareça.

Assim que chegamos, notamos que a casa permanece igual, desde à fachada até o ambiente todo branco, bem iluminado e com pouquíssimos detalhes em verde – a cor oficial do Burdog. O ambiente é tão iluminado por uma luz branca que parecia até um “hospital”. Chega a ser estranho.

Ambiente - Burdog

Sentamos à mesa ao invés do balcão, simplesmente pelo conforto. Recebemos o cardápio, que já conhecíamos de cabo a rabo, mas fizemos questão de conferir.

Cardápio - Burdog

Primeiro, questionamos o garçom sobre as batatas e as onion rings: se eles preparavam ou compravam prontas. O garçom confirmou que não eram feitas na casa, então resolvemos optar pela porção pequena de onion rings por R$ 19,20, a porção grande custa R$ 25,70. As fritas, não artesanais, valem R$ 16,50 e R$ 20,90 respectivamente. Achamos o preço alto.

Porções - Burdog

Os hambúrgueres que escolhemos são o clássico X Burdog, hambúrguer, queijo prato, tomate, alface, picles, cebola crua e maionese por R$ 31,90 e o X Zé Mineiro, hambúrguer, molho especial (pimentão e tomates agridoce) e maionese por R$ 27,90. Imagina que estes hambúrgueres pesam por volta de 120g e custam o mesmo preço ou mais caros que das hamburguerias mais modernas que trabalham com 160g em média.

Cardápio de hambúrguer - Burdog

É inegável que tudo fica pronto muito rápido, parece até que já sabiam o que pediríamos antes de chegarmos. As onion rings vieram servidas em um prato branco de louça, aparência meio desleixada e acompanhada de uma generosa porção de maionese da casa.

Porção de onion rings - Burdog

A maionese é um patrimônio histórico da hamburgueria, bem cremosa e de sabor suave, funciona muito bem com a porção e também para dar personalidade aos hambúrgueres. Mas tem gente que não gosta, principalmente da consistência mais firme.

Na primeira mordida, percebemos que é a velha onion ring de sempre, crocante por fora, quentinha e que até parece artesanal (pode ser que seja, mas não são preparadas na casa). Estavam gostosas, tem uma cebola inteira dentro do anel, esse é o diferencial de um anel de cebola. As marcas industrializadas costumam usar um tipo de creme de cebola empanado por questão de custo.

Os hambúrgueres chegaram em seguida, também ficaram prontos muito rápido. Lógico, a carne é super fininha e com pouca gordura.

O X Zé Mineiro não chama a atenção, hambúrguer baixinho, carne fininha e servido meio tímido dentro do saquinho.

Zé Mineiro  - Burdog

O molho agridoce com tomate e pimentão vem junto com a maionese e por baixo da carne. Esse é um segredo, a maionese e o molho formam uma combinação perfeita e trazem umidade à carne fininha e seca do hambúrguer. São truques que as clássicas hamburguerias sempre usaram para compensar o hambúrguer e o bem passado tradicional.

Zé Mineiro - Burdog

Zé Mineiro - Burdog

O X Burdog não fica atrás, com uma porção de maionese junto ao tomate, faz o ponto alto do hambúrguer. O bacon crocante chama atenção pela crocância e por deixar o hambúrguer com um aspecto mais alto. Assim como as varias folhas de alface lisa que dão vida às cores do conjunto.

X Burdog - Burdog

O picles e a cebola estão longe de ser dispensáveis, acrescentam sabor e contraste ao restante dos ingredientes.

X Burdog - Burdog

A carne do hambúrguer foi provada separadamente, estava bem seca e quase sem gordura. Não dá para exigir ponto de carne num hambúrguer desta altura, vem totalmente bem passado. O sabor é razoável, mas a suculência é quase nula. Esse foi o ponto mais negativo.

X Burdog - Burdog

É difícil optar por um cheeseburger no Burdog, é preciso acrescentar pelo menos uma maionese, senão o hambúrguer pode se transformar em pesadelo.

Ponto e suculência da carne - Burdog

O pão dos dois hambúrgueres estavam quentinhos e suportaram bem o conjunto. Chega a ser um pouquinho massudo, mas nada que atrapalhe. É o pão clássico das hamburguerias mais antigas da cidade.

Antes de nos despedirmos, demos uma visitada nas sobremesas e escolhemos uma com a cara do Burdog, Banana do Almirante, uma banana na chapa com canela e açúcar, duas bolas de sorvete de creme polvilhadas com canela por R$ 27,50.

Banana do Almirante - Burdog

Acertamos direitinho no pedido. Banana quentinha e docinha junto com o sorvete de creme e a canela fizeram a combinação perfeita. Curtimos do início até o fim, exceto pelo preço que é meio alto, como todos os outros itens do cardápio.

Banana do Almirante - Burdog

O Burdog está aberto desde 1968 e desde a primeira vez que fomos, tudo é igual. Parece que parou no tempo. Se você é fã de hambúrguer e não conhece a casa, precisa ir, temos que experimentar uma hamburgueria com esta idade e respeitar o produto que ela serve.

Mas fica uma questão, qual será o futuro das hamburguerias clássicas, elas vão se reinventar? Vão permanecer as mesmas? Ou vão ser engolidas por tantos novos concorrentes? Deixe sua opinião nos comentários.

    Avaliação do Guia do Hambúrguer

  • hambúrguer2 estrelas
  • maionese3 estrelas
  • porção2 estrelas
  • atendimento2 estrelas
  • espera nenhuma
  • cheese burgerR$ 21,70
  • preçoacima de R$ 50,00 (acima de R$ 50,00 por pessoa)
  • As avaliações do Guia do Hambúrguer são feitas sem aviso e sem conhecimento do estabelecimento, pagamos nossa conta e assim podemos falar a verdade.

Burdog – Pacaembu

Av. Dr. Arnaldo, 232 – Pacaembu
São Paulo, SP
Telefone (11) 3151-4849
delivery sim